Um clássico: Scliar

Cego e amigo Gedeão à beira da estrada

Moacyr Scliar

— Este que passou agora foi um Volkswagen 1962, não é, amigo Gedeão?

— Não, Cego. Foi um Simca Tufão.

— Um Simca Tufão? … Ah, sim, é verdade. Um Simca potente. E muito econômico. Conheço o Simca Tufão de longe. Conheço qualquer carro pelo barulho da máquina.

Este que passou agora não foi um Ford?

— Não, Cego. Foi um caminhão Mercedinho.

— Um caminhão Mercedinho! Quem diria! Faz tempo que não passa por aqui um caminhão Mercedinho. Grande caminhão. Forte. Estável nas curvas. Conheço o Mercedinho de longe… Conheço qualquer carro. Sabe há quanto tempo sento à beira desta estrada ouvindo os motores, amigo Gedeão? Doze anos, amigo Gedeão. Doze anos.

É um bocado de tempo, não é, amigo Gedeão? Deu para aprender muita coisa. A respeito de carros, digo. Este que passou não foi um Gordini Teimoso?

— Não, Cego. Foi uma lambreta.

— Uma lambreta… Enganam a gente, estas lambretas. Principalmente quando eles deixam a descarga aberta.

Mas como eu ia dizendo, se há coisa que eu sei fazer é reconhecer automóvel pelo barulho do motor. Também, não é para menos: anos e anos ouvindo!

Esta habilidade de muito me valeu, em certa ocasião… Este que passou não foi um Mercedinho?

— Não, Cego. Foi o ônibus.

— Eu sabia: nunca passam dois Mercedinhos seguidos. Disse só pra chatear. Mas onde é que eu estava? Ah, sim.

Minha habilidade já me foi útil. Quer que eu conte, amigo Gedeão? Pois então conto. Ajuda a matar o tempo, não é? Assim o dia termina mais ligeiro. Gosto mais da noite: é fresquinha, nesta época. Mas como eu ia dizendo: há uns anos atrás mataram um homem a uns dois quilômetros daqui. Um fazendeiro muito rico. Mataram com quinze balaços. Este que passou não foi um Galaxie?

— Não. Foi um Volkswagen 1964.

— Ah, um Volkswagen… Bom carro. Muito econômico. E a caixa de mudanças muito boa. Mas, então, mataram o fazendeiro. Não ouviu falar? Foi um caso muito rumoroso. Quinze balaços! E levaram todo o dinheiro do fazendeiro. Eu, que naquela época j á costumava ficar sentado aqui à beira da estrada, ouvi falar no crime, que tinha sido cometido num domingo. Na sexta-feira, o rádio dizia que a polícia nem sabia por onde começar. Este que passou não foi um Candango?

— Não, Cego, não foi um Candango.

— Eu estava certo que era um Candango… Como eu ia contando: na sexta, nem sabiam por onde começar.

Eu ficava sentado aqui, nesta mesma cadeira, pensando, pensando… A gente pensa muito. De modos que fui formando um raciocínio. E achei que devia ajudar a polícia. Pedi ao meu vizinho para avisar ao delegado que eu tinha uma comunicação a fazer. Mas este agora foi um Candango!

— Não, Cego. Foi um Gordini Teimoso.

— Eu seria capaz de jurar que era um Candango. O delegado demorou a falar comigo. De certo pensou: “Um cego? O que pode ter visto um cego?” Estas bobagens, sabe como é, amigo Gedeão. Mesmo assim, apareceu, porque estavam tão atrapalhados que iriam até falar com uma pedra. Veio o delegado e sentou bem aí onde estás, amigo Gedeão. Este agora foi o ônibus?

— Não, Cego. Foi uma camioneta Chevrolet Pavão.

— Boa, esta camioneta, antiga, mas boa. Onde é que eu estava? Ah, sim. Veio o delegado. Perguntei:

“Senhor delegado, a que horas foi cometido o crime?”

— “Mais ou menos às três da tarde, Cego” — respondeu ele. “Então” — disse eu. — “O senhor terá de procurar um Oldsmobile 1927. Este carro tem a surdina furada.

Uma vela de ignição funciona mal. Na frente, viajava um homem muito gordo. Atrás, tenho certeza, mas iam talvez duas ou três pessoas.” O delegado estava assombrado. “Como sabe de tudo isto, amigo?” — era só o que ele perguntava. Este que passou não foi um DKW?

— Não, Cego. Foi um Volkswagen.

— Sim. O delegado estava assombrado. “Como sabe de tudo isto?” — “Ora, delegado” — respondi. — “Há anos que sento aqui à beira da estrada ouvindo automóveis passar. Conheço qualquer carro. Sem mais: quando o motor está mal, quando há muito peso na frente, quando há gente no banco de trás. Este carro passou para lá às quinze para as três; e voltou para a cidade às três e quinze.” — “Como é que tu sabias das horas?” — perguntou o delegado. — “Ora, delegado”— respondi. — “Se há coisa que eu sei — além de reconhecer os carros pelo barulho do motor — é calcular as horas pela altura do sol.” Mesmo duvidando, o delegado foi… Passou um Aero Willys?

— Não, Cego. Foi um Chevrolet.

— O delegado acabou achando o Oldsmobile 1927 com toda a turma dentro. Ficaram tão assombrados que se entregaram sem resistir. O delegado recuperou todo o dinheiro do fazendeiro, e a família me deu uma boa bolada de gratificação. Este que passou foi um Toyota?

— Não, Cego. Foi um Ford 1956.

Fonte: releituras.com

Anúncios
Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Revista Blecaute de Literatura e Arte – Número 9

Cara(o) Amiga(o),

Segue o link para download da 9ª Edição de Blecaute: uma revista de Literatura e Artes, revista digital em formato pdf que tem como objetivo divulgar a produção literária e artística (contos, poemas, ensaios, dicas de leitura) de “novos” autores e artistas paraibanos, assim como de agentes de outros estados do nordeste, do Brasil e membros dos países lusófonos que interajam de algum modo com a literatura atualmente produzida no Estado da Paraíba.

O download da revista deve durar no máximo 6 minutos, em conexões mais lentas. Por favor, repasse esta edição de Blecaute para os seus contatos e ajude a divulgar esta iniciativa.

Obrigado e Boa Leitura!

Atenciosamente,

Bruno Rafael de Albuquerque Gaudêncio

Janailson Macêdo Luiz

João Matias de Oliveira Neto

Flaw Mendes (Editor Visual)

(Os editores)

CLIQUE A SEGUIR P/ DOWNLOAD:

BLECAUTE_Uma_Revista_de_Literatura_e_Artes_N9_Boa Leitura

Publicado em Artes, Dia-A-Dia, Literatura Tout Court, Midiáticos | Marcado com , , | Deixe um comentário

Ainda sobre a literatura brasileira contemporânea

Por Wilson Alves-Bezerra

De tempos em tempos, a constatação da irrelevância – ou inexistência – da literatura brasileira nos assombra. Antonio Candido, no prefácio à “Formação da literatura brasileira” (1957), traz uma versão nacionalista dessa constatação: “A nossa literatura é galho secundário da portuguesa, por sua vez arbusto de segunda ordem no jardim das Musas… Comparada às grandes, a nossa literatura é pobre e fraca. Mas é ela, não outra, que nos exprime. Se não for amada, não revelará sua mensagem; e se não a amarmos, ninguém o fará por nós.” Passado meio século do chamamento indulgente de Candido, quando voltamos os olhos ao contexto atual, somos levados a nos perguntar novamente sobre a relevância das nossas letras contemporâneas.
No final do ano de 2010, a editora francesa Gallimard publicou uma antologia de contos chamada “Les bonnes nouvelles de l´Amérique latine”, organizada pelo venezuelano Gustavo Guerrero e pelo peruano Fernando Iwasaki, com prefácio de Mario Vargas Llosa. Entre os 32 jovens contistas presentes na coletânea, não consta um só escritor brasileiro. Pois bem, para os organizadores ou o Brasil não pertence à América Latina, ou a literatura brasileira também lhes parece desimportante.
Recentemente, nas páginas virtuais de O Globo, a partir do debate entre os críticos Beatriz Resende e Alcir Pécora, iniciou-se uma discussão sobre a literatura brasileira contemporânea: Pécora pautou a discussão e declarou que o panorama nacional atual é irrelevante. Daquele debate e seus desdobramentos, ficam-me dois acontecimentos exemplares. O primeiro: após Pécora lançar a rede de sua provocação, alguns jovens escritores locais quiseram desmenti-lo – quando a mera existência de suas obras deveria bastar para tal. O sintomático é que não lançaram manifestos, não escreveram poemas, não argumentaram, não se calaram; lançaram gritos vãos, mostrando-se aludidos, mas sem meios para responder a provocação. O segundo acontecimento: dias depois, em sua página pessoal no facebook, Beatriz Resende reage: “Me enchi desses autores contemporâneos. Vou voltar para o velho Lima, Machado, Guimarães Rosa. Não tem erro e não chateiam ninguém. Se quiser ser moderna, falo de Sarah Kane e outros mortos que já sossegaram o ego”.
Pouco afeitos a debates, todos se desmobilizaram, exceto Pécora, que produziu o artigo “A hipótese da crise” (O Globo, 23 de abril 2011). Nele, lança a hipótese de que uma “inflação simbólica” seria a responsável, no mundo atual, pela irrelevância das letras: “É como se o mundo inteiro fosse virtualidade narrativa antes de ser existência particular, e principalmente como se todo mundo fosse interessante o bastante para ser visto/lido.”
Ora, a escrita de descarga presente em muitos blogs autorais, às vezes sem qualquer mediação entre escrita e leitura – tal como é retratado no filme “Nome próprio” (Murilo Salles, 2008) – não se confunde com a literatura como tal, é antes frágil tentativa de fazer-se relevante; é extensão, como o feliz nome do filme indica, do nome próprio de seu criador, e não se presta à transmissibilidade, à discussão ou ao diálogo com a tradição. Talvez seja a isso – sob a forma do blog ou do livro – que Pécora se refira. Mas esta escrita, é preciso que se diga, não depende do meio de difusão. Pode-se ser relevante ou descartável em papel ou hipertexto.
No caso brasileiro, alguns dos poetas mais relevantes das últimas décadas não tiveram uma trajetória midiática, antes foram absolutamente marginais em relação aos meios dominantes. Penso, por exemplo, em Hilda Hilst e Roberto Piva, que por anos circularam através das tiragens limitadas de Massao Ohno, produzidas e distribuídas artesanalmente. Depois ambos se exilaram, Piva no centro de São Paulo, em seus cursos órficos, para quem quisesse ouvi-lo; Hilda Hilst em sua Casa do Sol, nos arredores de Campinas, entre seus cachorros e seu uísque, mas também de portas abertas. Quando, nos anos 2000, entraram no circuito das letras nacionais, via Editora Globo, sob direção do próprio Pécora, a obra de ambos já estava concluída. Assim, vê-se como os meios disponíveis, a mídia, os blogs, as redes sociais nada têm a ver, a priori, com a criação literária.
Por outro lado, a escrita criativa tomada como ofício é a que considera – não ignora e não se verga perante – a tradição. E como já dizia Harold Bloom, mas muito antes dizia Oswald de Andrade, é preciso devorar, deglutir a tradição, para poder criar. Não basta reverenciá-la, e tampouco ser indulgente com ela. Neste sentido, não haveria o velho Lima Barreto e o velho Guimarães Rosa, mas uma tradição viva. E retomando um ensaio célebre de Jorge Luis Borges, “O escritor argentino e a tradição” (1932), nossa linhagem não precisa ser necessariamente a nacional pois, para ele, “devemos pensar que nosso patrimônio é o universo”.
A definição do filósofo italiano Giorgio Agamben, numa conferência de 2007, sobre o que é ser contemporâneo, permite que recoloquemos a discussão sobre o contemporâneo: “Pertence verdadeiramente ao seu tempo, é verdadeiramente contemporâneo, aquele que não coincide com este, nem está adequado às suas pretensões e é, portanto, nesse sentido inatual; mas, exatamente por isso, exatamente através desse deslocamento e desse anacronismo ele é capaz, mais do que os outros, de perceber e apreender o seu tempo” (p. 58-9).
Aos demais, aos que coincidem com as demandas de sua época, a estes não cabe o lugar de exceção. É preciso entender que o escritor que de fato seja relevante não está construindo sua obra para ser o último da longa fila da tradição, pois isso já seria morte em vida, como temos visto nos dias que correm. Quanto ao lugar, no Brasil, da literatura contemporânea que realmente importa, será preciso encontrá-lo. Para tanto, é preciso estar disponível à surpresa, e não ler as obras a partir de lugares calcificados.
WILSON ALVES-BEZERRA é crítico literário, professor da Universidade Federal de São Carlos
Publicado em Dia-A-Dia, Literatura Tout Court | Deixe um comentário

Críticos X Escritores

Autores reagem a comentários de críticos em debate no IMS

Um debate entre os críticos Alcir Pécora e Beatriz Resende publicado no último dia 4 pelo blog do Instituto Moreira Salles irritou escritores brasileiros e desencadeou em blogs e redes sociais uma discussão à qual a própria Beatriz reagiu esta semana anunciando no Facebook que não vai mais escrever sobre literatura contemporânea, da qual se tornou na última década uma das mais conhecidas pesquisadoras no país: “Me enchi desses autores contemporâneos. Vou voltar para o velho Lima, Machado, Guimarães Rosa. Não tem erro e não chateiam ninguém. Se quiser ser moderna, falo de Sarah Kane e outros mortos que já sossegaram o ego.”

É também recorrendo ao campo semântico da encheção e seus variantes mais ou menos polidos que escritores reagem às acusações de compadrio feitas durante o debate do IMS e resumidas de modo mais expressivo por Pécora na frase “O espaço da literatura virou o lugar das tias”, referência a um clima de congratulamento mútuo que predominaria no meio literário nacional.

— Tias tomam chá e bufam como eles bufavam lá — diz Marcelino Freire, ganhador do Prêmio Jabuti em 2006 pelo livro “Contos negreiros” (Record). — Nós vamos à luta, promovendo encontros, discussões, antologias, revelando gente nova e boa. Ave nossa! Que preguiça! Turma de amigos há em tudo que é lugar. Mas não venham para cima da gente, insinuando armações, máfias. Caralho! Enfim. Digo: estou sem saco.

Em contraste com a cordialidade das “tias” mencionadas por Pécora, Beatriz falou em “gangues” de escritores que se formam para “pegar” outros autores: “um autor que entrou nessa [de] vítima da gangue e não está respondendo bem é o Santiago Nazarian. Ele começou magnificamente, mas de repente algumas gangues dizem ‘ele não é da nossa turma, xô com o Santiago’, aí como reagir a isso? ‘Então já que não sou mesmo disso vou fazer literatura infantojuvenil’”, disse, numa alusão aos últimos livros de Nazarian, cheios de zumbis e bichos falantes.

Em seu blog, Nazarian respondeu: “Eu vejo exatamente o oposto; nos primeiros livros eu me preocupava mais em ser aceito, em escrever um livro sério, ser considerado um escritor; com o tempo, percebi que não valia mesmo a pena e procurei fazer apenas o que eu gosto, me divertir, chutar o balde e ir atrás do meu universo realmente — e o que eu sempre gostei foi de garotos andróginos e jacarés assassinos, ora”.

Para o escritor Sérgio Rodrigues, a crítica ao compadrio tem “sabor de anteontem”, como ele escreveu em seu blog Todoprosa  — especialmente se entendida como uma censura aos escritores de São Paulo que deram a si mesmos o título de “Geração 90” (caso do próprio Marcelino, Nelson de Oliveira, André Sant’Anna, Marçal Aquino etc), num esforço assumido de chamar atenção para a própria produção num momento em que a discussão literária do país parecia modorrenta.

— Eles foram em frente, alguns amadureceram bem, outros não, e soa como uma fuga do assunto desqualificá-los com base no marketing, aliás bastante esperto, que eles usaram para se lançar — afirma Rodrigues.

Joca Terron, autor de “Do fundo do poço se vê a lua” (Companhia das Letras), prefere inverter o sentido dos comentários de Pécora e Beatriz:

— E o papel de tais representantes da crítica como curadores ou jurados dos grandes prêmios literários brasileiros, não faz parte desse desejo de participação contraditório com o papel de quem se arroga tanta isenção?

A impressão de uma crise geral do campo literário, que Pécora expôs no início do debate e procura desenvolver no artigo publicado nesta edição do Prosa & Verso, também foi questionada em comentários como o do escritor Vinicius Castro, que contestou a escolha de Paul Auster e Bernard Schlink como exemplos da banalidade da literatura que hoje seria mais incensada: “se quiser bater no peito e dizer que não há nada interessante na literatura atual, que fale daqueles autores realmente respeitados. [Roberto] Bolaño, DFW [David Foster Wallace], [W.G.] Sebald, [Javier] Marías, [J.M.] Coetzee, [Haruki] Murakami, [Mathias] Enard.”

Professor da UFBA e mediador da comunidade “Prosa contemporânea 2.0” no Orkut, Antonio Marcos Pereira acha que o debate e as reações a ele revelam dificuldades atuais da crítica, mas também dos autores:

— Se a crítica, mesmo consideradas suas nuances, não encontra nada para acolher, é a sua falência que está sendo também atestada, ou a redução de sua função ao meramente reativo ou reacionário, à conservação pura e simples — diz. — O negócio é saber o que se busca tanto com esse desejo de chancela crítica, pois não é diálogo com a crítica o que se busca. O que vejo todo dia são autores putos com resenhas negativas, e morreu o papo. Há um desejo de autonomia criativa total (o que todos têm, num certo sentido), e garantia de aplauso absoluto, sob a forma do reconhecimento da crítica (o prestígio, o capital simbólico e, eventualmente, as premiações partindo daí) e do público (com as vendas, a fama e a fortuna).

Autor de “O único final feliz para uma história de amor é um acidente” (Companhia das Letras), João Paulo Cuenca propõe também um olhar duplo sobre o caso:

— Respeito a opinião do Pécora sobre a inexistência da literatura contemporânea, e acho que isso me dá direito a acreditar que ele não existe. Eu sei que eu existo. Então a gente pode discutir isso: se eu existo, se ele existe, mas sem que isso signifique que a gente se odeia. É uma discussão de ideias. Tem uma coisa no panorama literário e intelectual brasileiro que é a incapacidade de aceitar o contraditório, a opinião do outro. Tudo vira uma rinha de galos passional.

Fonte: http://globo.com

Comentário:

As relações conflituosas entre escritores e críticos são também ecos de um debate atual no seio da literatura paraibana (ver aqui e aqui). Não por outro motivo, a edição número 2 do Encontro de Literatura Contemporânea, nosso já conhecido evento que se realiza durante o carnaval e o Encontro da Nova Consciência, teve como tema Entre Escritores e Editores: A Trajetória dos Livros, enfatizando o caráter difícil e trabalhoso da chegada dos livros em nossas mãos. Mas, aqueles que se pretendem à veia crítica, à distinguir o joio do trigo, estariam aptos para conhecer os literatos contemporâneos com os olhos do presente, ou somente os críticos do futuro é que poderão julgar esta geração que passa (passará?)?

Publicado em Dia-A-Dia, Literatura Tout Court | Marcado com , , | Deixe um comentário

II Encontro de Literatura Contemporânea – Programação Completa –

II ENCONTRO DE LITERATURA CONTEMPORÂNEA

“ENTRE ESCRITORES E EDITORES: A TRAJETÓRIA DOS LIVROS”

Campina Grande- Paraíba
Data: 06 e 07 de Março
Horários: das 9 ás 12 horas/ das 14 horas ás 18 horas
Local: Centro de Educação (CEDUC II)

.

PROGRAMAÇÃO

06/03/2010 – Domingo (Manhã e Tarde)

09h00: Palestra de Abertura: Literatura e vida literária: a psicologia de um escritor

Ronaldo Monte (PB/AL)

Mediador: Bruno Gaudêncio (PB)

10h30: Mesa- Redonda I: Do antologista ao tradutor: lances de um mercado

Rinaldo de Fernandes (PB/MA)

Teodoro Lorent (EUA)

Mediador: João Matias de Oliveira (PB/CE)

14h00: Mesa-Redonda II: Livro, leitura e literatura: a produção de eventos

Lau Siqueira (PB/RS)

Mirtes Waleska (PB)

Jairo César (PB)

Mediador: Janailson Macedo (PB)

15h30: Lançamento e sorteios de Livros

07/03/2010 – Segunda (Manhã e Tarde)

09h00: Mesa-Redonda III: Editores e Editoras: A relação com os escritores

Helder Pinheiro (PB/CE)

Magno Nicolau (PB)

Mediador: Bruno Gaudêncio (PB)

10h30: Mesa-Redonda IV: Poesia e(m) Prosa: Modelos e alternativas de publicação

Thiago Lia Fook (PB)

Roberto Menezes (PB/PE)

André de Sena (PE)

Mediador: Bruno Ribeiro (PB/MG)

14h00: Mesa- redonda V: Literatura e Entretenimento: Na busca de um leitor constante

Ricardo Kelmer (SP/CE)

Mabel Amorim (PB/AL)

Efigênio Moura (PB)

Mediador: Janailson Macedo (PB)

16:00: Palestra de Encerramento : Sobre Livros e Mulheres

Vitória Lima (PB/PE)

Mediador: João Matias de Oliveira (PB/CE)

16h30: Lançamento e sorteio de Livros

Organização:

Núcleo Literário Blecaute/ XX Encontro da Nova Consciência

Publicado em Dia-A-Dia, Literatura Tout Court | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Revista Blecaute de Literatura e Arte – Número 6 – Ano 2

Cara(o) Amiga(o),

Segue o link para download da 6ª Edição de Blecaute: uma revista de Literatura e Artes, revista digital em formato pdf que tem como objetivo divulgar a produção literária e artística (contos, poemas, ensaios, dicas de leitura) de “novos” autores e artistas paraibanos, assim como de agentes de outros estados do nordeste, do Brasil e membros dos países lusófonos que interajam de algum modo com a literatura atualmente produzida no Estado da Paraíba.

O download da revista deve durar no máximo 3 minutos, em conexões mais lentas. Por favor, repasse esta edição de Blecaute para os seus contatos e ajude a divulgar esta iniciativa.

Obrigado e Boa Leitura!

Atenciosamente,

Bruno Rafael de Albuquerque Gaudêncio

Janailson Macêdo Luiz

João Matias de Oliveira Neto

(Os editores)

CLIQUE A SEGUIR P/ DOWNLOAD:

BLECAUTE_Uma_Revista_de_Literatura_e_Artes_Ed6_N6_Boa_Leitura

Contatos e informações:

http://www.revistablecaute.blogspot.com

revistablecaute@gmail.com

ÍNDICE da 6ª edição

EDITORIAL A arte de ser um escritor iniciante

Os editores

5

CONTO

Allegro ma non troppo

Lucia Bettencourt – RJ

8
COLUNA Guimarães Rosa: um retrato

Franklin Jorge – RN

11
POEMAS Caronte, Epitáfio, Via-Láctea e Eclipse

Vitor Nascimento Sá – BA

13
ENSAIO A ficção científica, os robôs e a modernidade – Segunda parte

João Matias de Oliveira-CE/PB

16
POEMAS Poema de Beneficência, Açúcar-Matéria, Em parte, Onze palavras e Carbono

Sylvia Beirute – POR

24
HUMOR Conto materno kafkaniano

Valdênio Freitas – PB

27
POEMAS Poética X, Bocejo, Do lado de dentro, Consuelo, Carta I

Fidélia Cassandra – PB

29
CONTO Sapo, café e um hipermercado

Francisco Cabral Júnior – RN/PB

33
ESTANTE O Escritor e seus intervalos – Hildeberto Barbosa Filho

Bruno Gaudêncio – PB

38
Antologia da Poesia negra brasileira: o negro em versos – Luiz Carlos dos Santos, Maria Galas e Ulisses Tavares (org.)

Janailson Macêdo Luiz – PB

40
POEMAS Singular, Da Pampa, Fragmentos de um poema triste, Fruta madura e Criança

Cláudio Carlos – RS

42
CONTO Os Sábios de Baruch

Thiago Lia Fook – PB

46

ENSAIO

Iconografia do sofrimento: fotografias de guerra em Susan Sontag

José Luciano de Queiroz Aires – PB

52
Publicado em Dia-A-Dia, Literatura Tout Court, Midiáticos | Deixe um comentário

Agosto das Letras

Programação do Agosto das Letras

Cidade: João Pessoa – PB

Local: Ponto de Cém Réis

Dia 27 – Sexta
Oficina: Livro artesanal de papelão com Dulcinéia Catadora
Quantas pessoas: 20 pessoas
Horário: 14h às 17h
Local: Casarão 34
Cine Clube Casarão 34 (ou telão no Ponto de Cem Reis)
Mostra de Curtas – Literatura em foco
Início: 17h30
Término: 19h30
Mesa Redonda: Caminho das pedras: autores x editores
Homero Fonseca (PE)
Raimundo Carrero (PE)
Raimundo Gadelha (RJ)
Mediador: Sérgio de Castro Pinto (PB)
Início: 17h00
Término: 18h30
Local: Funjope – Duque de Caxias, 352 – Centro
Lançamento de Livro
Coleção Novos Escritos – Cordel (PB)
Local: Pça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)
Início: 19h30
Término: 20h30
Show musical:
Xisto Medeiros (lançamento do disco Prana)
Local: Pça. Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)
Horário: 20h30
Dia 28 – Sábado
Oficina: A arte do Conto – com Clube do Conto
Quantas pessoas: 20
Horário: 14h às 17h
Local: Casarão 34
Cine Clube Casarão 34 (Ou Ponto de Cem Reis)
Mostra de Curtas – Literatura em foco
Início: 17h30
Término: 19h30
Mesa Redonda 1: Circulação do livro – ou dez maneiras de atrair leitores
Rosa Amanda Strausz (RJ)
Maria Valéria Rezende (PB)
Rinaldo de Fernandes (PB)
Pedro Salgueiro (CE)
(Grupo Estilingues) (SP)
Mediador: Antônio Mariano (PB)
Início: 17h00
Término: 19h00
Local: Funjope – Duque de Caxias, 352 – Centro
Mesa Redonda 2: Literatura e novas tecnologias
Edson Cruz (SP)
Marcelino Freire (PE)
Amador Ribeiro Neto (PB)
Mediador: Linaldo Guedes (PB)
Início: 17h00
Término: 19h00
Local: Funjope – Duque de Caxias, 352 – Centro
Lançamento de Livros
O que é poesia?
Autor: Edson Cruz (SP)
Local: Pça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)
Início: 19h30
Término: 20h30


Show musical:
Victor Ramil (RS)
Local: Pça. Vidal de Negreiros (Ponto de Cém Réis
Início: 21h00
Dia 29 – Domingo
Oficina: Poesia Visual com Constança Lucas
Quantas pessoas: 20
Horário: 14h às 17h
Local: Casarão 34
Performance teatral de Nova Palmeira
Local: Ponto de Cem Réis
Horário: 16h00
Cine Clube Casarão 34 (ou no Ponto de Cem Reis)
Mostra de Curtas – Literatura em foco
Início: 17h30
Término: 19h30
Mesa Redonda 1: Bom de ler: a crítica e a paixão
Hildeberto Barbosa (PB)
Sônia Ramalho (PB)
Alfredo Monte (MG)
Aleiton Fonseca (BA)
Mediador: Ronaldo Monte (PB)
Início: 17h00
Término: 18h30
Local: Sala Funjope – Duque de Caxias, 352 – Centro
Mesa Redonda 2: Literatura e adaptações
João Batista de Brito (PB)
Ronaldo Corrêia de Brito (PE)
Vitor Ramil (RS)
Wellington Pereira (PB)
Mediador: Renato Félix (PB)
Início: 19h00
Término: 20h30
Local: Sala Funjope – Duque de Caxias, 352 – Centro
Homenagens:
Antonio Arcela (com integranges da Oficina Literária)
Geraldo Maciel
Jomard Muniz de Brito
Lançamento de Livros
Bruno Gaudêncio (PB)
João Matias de Oliveira (PB)
Local: Pça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)
Início: 20h45
Término: 21h30
Encerramento.
Publicado em Dia-A-Dia | Deixe um comentário